Capítulo 2 - Nunca Fora tão Difícil Chegar à Torre

When I was just a boy

Torre de randal 2

NUNCA FORA TÃO DIFÍCIL CHEGAR À TORRE

A Torre de Randal erguia-se incólume no topo da colina verde, os muros baixos de pedra antiga guardavam um caminho antigo de pedra. Na colina havia as fundações de algumas construções, fragmentos de paredes antigas e uma ou outra coluna. Antigas, manchadas pelo tempo e tomadas de trepadeiras. Marcos de que aquela colina em um passado muito distante já havia abrigado um complexo muito maior. A própria forma da torre indicava que ela provavelmente tivesse prédios anexos. Mas agora ela era solitária na colina verdejante e esparsamente arborizada.

A Rua do Córrego corria sinuosa ladeando os baixos muros da colina a o contornava até as escadarias da Vila Sahane. Varias casas situadas bem próximas à torre, na parte de trás da colina. Quem viesse daquela direção pela Rua do Córrego teria a impressão que a Torre de Randal fizesse parte da vila, mas na verdade ela estava no alto da colina, muito arborizada daquele lado por sinal. Do lado da Vila Sahane.

Senhora Sahane era uma matrona muito respeitada, embora não tão amada. Ela sabia tudo o que acontecia por ali e sempre ficou de olho em Randal, o Místico. Que ela suspeitava ser um charlatão, mas embora controladora da vida alheia, não era uma fofoqueira. Ela tinha tido uma família muito enorme, muitos filhos e filhas. Ela própria tinha tido muitos irmãos e irmãs, mas todos haviam se espalhado pelo mundo. Dessa forma ela passou a alugar as casas da vila, para famílias, trabalhadores ou solitários. E mantinha todos sobre total vigilância. Ela não tolerava bebedeiras, festas, desfrutes, libertinagens ou qualquer tipo de desordem. Embora ficasse se abananado freneticamente com seu leque, visivelmente nervosa quando ficava cara a cara com homens fortes e vigorosos.

Ela estava ralhando com Tirina sua empregada quando silenciou-se e observou Lia, Chrono e Harimau subindo pela Rua do Córrego. Sim ela sabia o nome deles, o leiteiro havia escutado algumas conversas e o padeiro também. Eu disse que ela não era fofoqueira, mas não disse que ela não tirasse vantagem das fofocas alheias. Já estava nas escadarias quando o trio subiu a rua.

- Com licença. Estou muito preocupada. O que foi isso que aconteceu lá em cima. Ouvi explosões e depois muita fumaça. A guarda esteve aqui… – danou-se a falar a Senhora Sahane, lá acima das escadas sua empregada Tirina apenas observada virando os olhos.

- Desculpe minha senhora, estamos com pressa, mas não se preocupe está tudo em ordem – cortou-a Chrono educadamente.

- Sim, mas sou vizinha e houve uma correria dos diabos nos meus telhados. Esse rapazinho quase quebrou minhas jardineiras… – e continuou a Senhora Sahane com sua ladainha, mais interessada em captar a reação deles e saber o que estava acontecendo do que realmente preocupada com o telhado ou as jardineiras. Afinal ela era muito abastada.

- Ah sim desculpe. Eu estava com pressa – desculpou-se Harimau levando uma das mãos para atrás da cabeça, piscando um olho e mostrando a língua um tanto quanto constrangido. Ofegante e ainda transpirando em bicas. Aliás sentia um calor dos diabos.

- Com pressa? E isso lá é motivos para correr pelos telhados? E o que foram aquelas explosões e fumaça? Randal explodiu alguma coisa? E… – então ela sentiu-se nervosa, não é que aquele fedelho moreninho com cara de moleque maloqueiro e trombadinha tinha um corpo tão…

Lia estava muito pensativa e guiou seu cavalo lentamente, um tanto quanto desinteressada naquela conversa. Seus pensamentos voltados a assuntos realmente importantes ao invés de ladainha de vizinha faladeira. Chrono apenas a observou de canto de olho, ele tentava encerrar aquele assunto sem parecer um mau educado.

Harimau começou a se atrapalhar nas palavras como de fato acontecia quando ficava nervoso. Tentava se explicar e ao mesmo tempo que tentava sair de fininho daquela coroa manjadora. Ele começou a misturar dialetos e idiomas, mas entre as palavras no comum acabou por dizer mais do que deveria. Chrono percebendo isso o arrastou quase aos safanões e a dupla deixou a Senhora Sahane falando sozinha. Lia já estava lá na frente.

- Ah mas eles vão me explicar isso direitinho.

- Ele poderia ser seu filho senhora – disse Tirina.

- O que você está querendo dizer com isso? Está pensando que…

E começou tudo outra vez.

Capítulo 2 - Nunca Fora tão Difícil Chegar à Torre

Zaev, Magia, Glória & Sangue Xaal